Relacionamentos

Dezembro dos apressados

10/12/2014

Chega o mês de dezembro e com ele uma espécie de correnteza, onde as águas vão ganhando velocidade e você precisa nadar pra não se perder. Como se você precisasse nadar o mais rápido possível pois o fim da cachoeira está próximo e se você não seguir os passos definidos por sei lá quem cairá e o dia 31 de dezembro levará tudo como um tsunami.

Pois é assim que tenho me sentido há algumas semanas. Enquanto muita gente sente a gentileza que parece pairar no ar em dezembro tenho notado uma pressa desnecessária. Como se tudo o que a criatura não fez no ano todo devesse ser finalizado até a chegada do novo ano.

Sou uma pessoa extremamente ansiosa e isso se reflete de inúmeras formas na minha vida. Nos inúmeros bombons que devoro, no ranger dos meus dentes ao dormir, no coração que palpita sem que nada de realmente tenso esteja acontecendo. Entre as minhas resoluções de ano novo (aff, o que estou dizendo? Eu nunca cumpro esse tipo de coisa, bom na verdade fazer uma lista de resoluções pode ser a minha primeira resolução a ser cumprida em 2015, né?) está em viver dias mais calmos. Não tão calmos como aqueles onde imagino que  estou morando no campo, longe da civilização, mas dias em que eu possa realizar as minhas tarefas diárias, uma de cada vez, priorizar algumas coisas e trazer um pouco mais de organização aos meus dias.

Já tenho treinado dias assim, estou saindo frequentemente para fazer caminhadas, mas sem cobranças, no meu ritmo. O objetivo é descarregar um pouco das angústias e contra-tempos que o dia-a-dia nos apresenta. Tem funcionado. Escurece um pouco, a temperatura é de um deserto fresco, o calor massacrante da tarde vai embora e lá vou eu… Transpiro como nunca, parece que corri a São Silvestre, mas foram apenas 30 minutos de caminhada nas ruas próximas a minha casa. Volto, tomo um banho e me sinto tranquila.

Porque esperar 2015 para por em prática o seu objetivo? Melhor é ir transformando o objetivo em realidade, mesmo que pouco a cada dia. Eu sei que costumamos criar impecilhos, ou fantasiamos ciclos que devem ser iniciados em determinado período, como a segunda-feira é para a dieta. E é isso que ocorre com esse grupo de neuróticos apressados que desejam abraçar o mundo até o final do mês. E com isso acabam transformando a maioria das pessoas ao seu redor também em insanos pelo tic-tac do relógio. Para minha felicidade (e sanidade) tenho conseguido separar, me distanciar da loucura, não absorver isso e continuar dando os meus passos no meu ritmo. Inspira, expira… Tá, nem sempre funciona, mas eu tento.

É só um novo calendário, não uma bomba que irá explodir assim que contarem o 4, 3, 2, 1!!! Tudo será como antes.

Comentários

comentários

2 comentários

  1. Julia, adorei seu post, me identifiquei demais com ele. Essa pressão, ou melhor, essa pressa todo mundo se impõe n ofim de ano me deixa MALUCA. Credo, como se algo fosse sucumbir às badaladas da meia-noite no dia 31/12. E a mais pura verdade é que p@##a nenhuma muda, então, pra quê o desespero???
    Enfim, além do post que eu adorei, saiba que acompanho seu blog há um tempo e que amo de paixão seus post sobre os cabelos ruivos e por sua causa que me rendi à tintura da Keune, tintura essa que dispensa comentários.
    Beijo grande pra vc, continue no seu ritmo mesmo e que 2015 seja de muita luz, saúde e sucesso na sua vida!!!

Deixe o seu comentário!