Beleza Dieta Relacionamentos

Corpo e submissão

11/11/2014

É tão bom ver como a gente evolui! Eu estava lendo uns posts antigos por aqui e me deparei com uma frase que hoje não tem muito a ver com o que eu penso. Já passei por tempos em que os poucos quilos a mais eram um terror pra mim, tempo em que adoraria mudar o meu corpo.

Muitos enxergam o excesso de peso como de falta de vontade, derrota e outros adjetivos negativos.  Quando eu tinha 9 anos de idade fiz a minha primeira dieta, não por me achar gorda, mas porque a pediatra achou adequado, ok, a preocupação era com a saúde. Depois disso muitos anos se passaram e todas as dietas que fiz foram motivadas por eu me comparar a outras pessoas ou porque alguém achava que eu estava acima do peso, claro, que em alguns momentos, estava, mas na maioria das vezes era por neura.

Porque você não faz isso, ou aquilo? O verão esta aí, você deveria se cuidar. Faz drenagem. Viu como a modelo X e magra. Você deveria fazer uma dieta. Tá gordinha, hein? Anda comendo muito? Olha aquela menina, tem um rosto tão bonito, pena que é gorda…

Como vocês sabem eu não sou uma pessoa obesa, tenho uns quilos a mais, mas convivo bem com eles, mas desde cedo sempre ouvi de pessoas próximas alguns comentários de como era ruim ser gorda, como aquilo refletiria de forma negativa na minha vida. Ninguém gosta de meninas assim. A mesma mensagem era emitida na televisão e nas revistas que glorificavam corpos perfeitos. E vai além do peso, o mesmo vale para outros “defeitos” que não existem nas revistas.

Só agora, adulta, pude perceber que a maioria dos meus e seus temores em relação a aparência surgiram em consequência de comentários e ações de terceiros. Se por um lado esse tipo de coisa nos deixa tristes e confusas, por outro essas pessoas acreditam que estão ajudando. Normalmente uma pessoa que aponta o “problema” do outro possui problemas consigo mesma e que não consegue resolver, sendo assim fica mais fácil olhar para o lado e focar na vida alheia.

Corpo e submissão

Analisando dessa forma pude perceber que a maioria das pessoas que conheço e que em algum momento fizeram algum comentário negativo sobre a aparência alheia, são pessoas que tiveram uma criação onde o fato de se manter-se “belo” era fundamental para o sucesso. Em alguns casos vieram de lares onde a mulher sempre submissa deveria manter-se bela (leia-se nunca se acomodar) para não perder o parceiro, por exemplo. E pior, normalmente essas pessoas são super ciumentas, resultado da falta de autoestima=Falta segurança.

Sinceramente, se eu me envolvesse com alguém que desse tanta importância pra isso, eu adoraria que ele fosse embora, me trocasse… Afinal, não serve pra mim.

É incrível como sempre tem alguém para dar pitaco sobre a sua vida. Mesmo sem saber o que você faz, o que passou, suas dificuldades, vai vir com uma “sugestão” para você Li uma frase no facebook há um tempo que dizia algo assim: Ninguém quer saber porque você esta chorando, pouco importam as suas conquistas, agora experimenta engordar pra ver se não vai ter gente comentando.

Como não podemos mudar alguns pensamentos alheios, devo mudar, não me obrigando a entrar em um padrão mas sim ignorando, compreendendo as ações dos outros, não necessariamente os culpando, mas entendendo que o problema não é meu e me distanciando daquilo que me faz mal.

O corpo é seu, e se você está feliz e saudável com ele, é o que importa.

Ao finalizar esse post, vi um compartilhamento da Aryanne Audrey no Facebook e achei que agregaria a esse conteúdo. Assista. Beijo.

Comentários

comentários

10 comentários

  1. Ju, adorei a sua reflexão, já passei por essa fase de me matar pela a estética e fazer dietas loucas para ser magra, sendo que sempre tive tendência a ser cheinha. Hoje ainda faço dieta, mas de forma diferente, passei por um processo de reeducação alimentar e fiz a escolha de ser uma pessoa saudável, assim como as pessoas optam por ser vegetarianas. Fiz por escolha, ninguém me obrigou, queria me sentir melhor e evitar problemas de saúde que tenho na família e que posso ter se não me cuidar. O médico me alertou e eu escolhi fazer essa mudança, praticando exercícios físicos em paralelo. Hoje não ligo para doces e frituras, comer um chocolate é bem raro, um bolo…mas amo açaí, adoro suco verde, granola…kkkk…algumas pessoas acham estranho, mas acho natural, muita gente está nessa pegada, mas porque sente prazer em viver assim, sem neuras…espero que faça sentido para você essa minha opinião. Beijos

  2. A sua reflexão foi simplesmente ótima, o que me deixar mais tristes é ver essas criancinhas que sofrem desde novas para ter o chamado corpo perfeito! Eu não tomo refrigerante e não como doces por escolha, porque eu nunca gostei, e não porque quero ter o corpo perfeito! Mas quando o assunto é fritura…. hahah!
    Faço academia de vez em quando mas sem neuras, nãoq uero seu obrigada a nao comer nada, e comer apenas frango grelhado com batata doce, porque sei que por mais que tenha o corpo mravilhoso, não vou ser feliz! Adorei o texto

    Beijos, Love is Colorful

  3. Eu adorei seu blog, vim conhecer e amei tudo. Assisti esse vídeo hoje por coincidência e achei mesmo muito interessante, para as crianças tudo é menos complicado né, rs. Eu recentemente passei por um processo de emagrecimento simplesmente porque não me aceitava, sei que existe muito essa imposição da magreza e tentei me gostar como estava mas era impossível e resolvi emagrecer, hoje muitos kg a menos eu me sinto mais feliz , mas apesar de tudo acredito que cada um cuida do seu corpo e da sua vida, se está feliz não importa a opinião alheia não é.
    Beijos

  4. Ai, que post mais lindo. É a primeira vez que passo por aqui e dou de cara com essa reflexão maravilhosa <3 <3 <3
    Então, essa questão é tão complicada, não é? Porque, além da pessoa se sentir mal com ela mesma, ela ainda é obrigada a lidar com pessoas que se sentem mal por ela (?), eu acho tão, mas tão, mas tão ~estranho~ quando alguém enche a boca para comentar que fulana ganhou alguns quilos, como se fosse alguém que não tivesse suscetível a isso.
    E sobre a neura que toda mulher tem, é complicado. Porque esse é um tipo de problema que vai levando a outros e quando se dá conta, tem uma bola de neve, né. Mas tenho fé que um dia todo mundo – ou quase – vai passar a se amar e se aceitar haah
    Um beijo,
    Isabella
    The Urban Trends

Deixe o seu comentário!