Dieta Saúde

A menina que não gostava de se exercitar

22/11/2013
Eu nunca fui muito fã de exercícios físicos, eu não sou psicóloga, mas imagino que tenha relação com minha infância frustrada com esportes. Eu tentei. Até participei de time de vôlei, mas não era boa nisso, e era sempre uma das últimas a ser escolhida pra qualquer time. 
Tem outro fator, os professores de educação física que tive sempre “mandavam” correr, caminhar, jogar, mesmo sabendo que eu era péssima naquilo, que até medo da bola eu tinha… Ninguém nunca me explicou, me deu um motivo do tipo: – Correr libera endorfinas, substância que provoca a sensação de bem-estar, deixará você mais feliz, menos ansiosa e você ficará em forma. Ninguém tentou me “seduzir”, me cativar para aquele universo. Talvez por isso eu não seja lá tão atlética. Afinal, criança, quando dócil o adulto manda e ela obedece, né? Eu era obediente, mesmo não tendo motivação para aquilo.

-Eu não posso correr. 
– Pq?
-Pq tenho coisas melhores pra fazer.
Mas como já tô velha e já achei quem culpar, e por sorte conheci profissionais que + mais tarde me cativaram, acabei simpatizando com essa coisa toda de me exercitar, antes tarde do que nunca (mas nunca com muita sede), mas mais por necessidade, afinal, o corpo foi feito para se movimentar. Se você ainda não se convenceu disso, aconselho iniciar com caminhadas lentas, e não dê bola para o que o resto do universo de pseudo atletas espalhados pelo mundo e pelo instagram acha! Aiii, que febre isso, hein? 
Caminhada lenta funciona sim, afinal! É melhor que nada, né? Além disso, de acordo com uma pesquisa da universidade de Michigan, exercícios em ritmo lento desencadeiam uma reação química no corpo que intensifica a perda de peso. 
Todo gasto energético rápido tende a ser compensado por uma enorme vontade de comer. A vantagem da perda de energia lenta e gradativa é a adaptação do apetite. Mas nesse caso é essencial que você respire certo, porque o tempo entre a inspiração e a expiração é que vai determinar o ritmo das passadas e ajudá-la a se concentrar no movimento. Então começa devagar, depois a gente pega o ritmo. O importante é se mexer.

Acompanhe o blog também no  Instagram |   Twitter  |   Facebook   Youtube




Comentários

comentários

4 comentários

  1. Sempre fui ruim nos esportes também e sofria nas aulas de educação física, era umas das últimas a ser escolhida pra os times também! Mas no fim das contas, por incrível que pareça, até que hoje em dia as lembranças da minha infância desajeitada nos esportes até que me já me trouxeram muitas risadas! 😛 Hoje em dia também estou lutando para tornar as atividades físicas um hábito. Estou batendo meu recorde: mais de três meses indo malhar regularmente. Espero continuar assim, afinal, depois dos 30 a gente precisa correr atrás literalmente. rsrs bjinho

  2. ODIAVA Educação Física, era a única matéria onde não conseguia tirar uma nota que eu considerasse satisfatória… no Ensino Médio já tava mais “rebelde” e sempre dava um jeito de “enrolar” hahaha: e, só quando cheguei ao 3º ano, ofereceram a oportunidade de os alunos escolherem uma modalidade só… escolhi “ginástica”, metade da aula eram exercícios localizados e a outra metade, uma dança. #vouconfessar que não gostava muito, acho que principalmente pelo fato de a aula ter ido para os sábados de manhã, mas era melhor que ter que lidar com bola haha!

    Adorei tudo o mais que você falou, nossa como ando sem saco para essas neuróticas no Instagram também hahaha! PORRA de “projeto verão”! O importante é encontrar uma atividade que você goste. Hoje faço Sh’bam e Body Combat, além do circuito tradicional, na Curves, que é o que meu tempo tem permitido… vou e volto caminhando. E me sinto ótima, odeio quando preciso faltar. Mas tem quem insista que “não adianta”, que tem que fazer Spinning + TRX + correr uma maratona + musculação… aff

    :* Julia

Deixe o seu comentário!